Multidão acompanhou desfile da Banda do Nheco no último dia da festa (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Itapira estima que aproximadamente 22 mil pessoas passaram pelo Parque Juca Mulato durante a programação do carnaval entre sábado (2) e terça-feira (5).

Como já ocorre tradicionalmente, o maior público foi anotado no último dia, atraído pelas palhaçadas da Banda do Nheco. A avaliação da pasta é positiva com relação à organização do evento.

“Tivemos um aumento significativo de público em todos os dias, especialmente quando a chuva não atrapalhou, e um crescimento muito grande do Circuito de Blocos. E claro, o desfile da Banda do Nheco, que foi algo imenso”, analisa o secretário municipal de Cultura e Turismo, Ricardo Pecego.

A programação teve início no sábado com a terceira edição do Circuito de Blocos ‘Zezo Marconi’, que neste ano prestou homenagem ao carnavalesco Adilson Raveta, fundador da Escola de Samba ‘Unidos da 9 de Julho’. Além do Bloco da Lira, que desde a primeira edição é responsável por ‘puxar’ os foliões, outros cinco blocos organizados marcaram presença: Unidos da 9 de Julho, Brejeiros, Carnafolia, Equilíbrio da Birita e Tola Cavalo.

“O Circuito vem crescendo ao longo dessas três edições e para o ano que vem a expectativa é que esse aumento seja ainda maior”, enfatiza Pecego. O Circuito seguiu pela Rua João de Moraes, Ribeiro de Barros e Avenida dos Biris. Na chegada, carnavalescos da Unidos da 9 de Julho entoaram diversos samba-enredos da escola de samba itapirense juntamente de Adilson Ravetta.

Logo após, a Banda Explosão deu seguimento à programação. O domingo de Carnaval teve início com a matinê no período da tarde. No início da noite, a professora de dança Nany Barreto comandou um aulão de dança com ritmos variados. Em seguida, a Banda Explosão manteve o clima com seu repertório carnavalesco. A programação de segunda-feira também teve início com a matinê e foi marcada pela final do III Concurso de Marchinhas Carnavalescas.

Circuito de Blocos vem ganhando força, analisa secretário (Divulgação)

Nesta edição, foram 18 inscrições das cidades de Bragança Paulista (SP), Brasília (DF), Campinas (SP), Itapira (SP), Pindamonhangaba (SP), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), São Bernardo do Campo (SP), São Paulo (SP), Serra Negra (SP) e Teresópolis (RJ). Deste total, 15 foram selecionadas para a final e executadas pela banda oficial do concurso formada por Maurício Perina (trompete), Iara Ribeiro (Vocal), Luciano Santos (violão e vocal), Caio Riberti (Bateria), Wagner Melo Jr (teclado) e Alexandre Siqueira (contrabaixo).

O corpo de jurados foi composto por João de Freitas Junior (tricampeão pelo clube de futebol municipal Boa Esperança e com cinco anos de experiência no carnaval de rua), Carlos Alberto Tavares de Toledo (trompetista profissional da banda Estância Brasileira, do Conservatório Municipal de Socorro – SP) e Salua Oliveira Bosso (formada em música pela Faculdade Nazarena do Brasil e pós graduada em educação musical pela UNASP), que pontuaram as marchinhas seguindo os critérios de Letra (0 a 10 pontos) e Melodia (0 a 10 pontos).

Após a apuração, foi constatado um empate na terceira colocação entre as músicas Laranja Lima (de Marquinhos Domingues, de Itapira – SP) e Meu Amigo Queiróz (de Pierre Simões, de Brasília – DF). Conforme previa o regulamento, o desempate se deu por Clamor Popular.  A primeira colocação do concurso ficou para a marchinha ‘Esquema e Corrupção’, do autor Maurício Crisostomo de Ribeirão Preto (SP).

Em 2º lugar ficou a marchinha ‘Love com o Pierrô’, da autora Valéria Pisauro de Campinas (SP). E após o voto de desempate,  terceira colocação ficou com a marchinha ‘Laranja Lima’, do autor itapirense Marquinhos Domingues. A premiação foi de R$1.200,00, R$800,00 e R$500,00, respectivamente, além de troféus. Para encerrar a programação da noite, o professor Anderson Koy junto com a Cia de Dança ‘Vai Malandra’ comandaram o aulão de dança por mais de duas horas, reunindo milhares de pessoas em frente ao palco.

Na terça-feira de Carnaval também houve matinê no período da tarde, mas a grande atração da noite foi o desfile da Banda do Nheco. Previsto para ter início às 19h30, a banda saiu um pouco depois, às 20h15 e reuniu aproximadamente 15 mil pessoas entre crianças, adultos e idosos nos arredores das ruas Ribeiro de Barros e Rui Barbosa.

Aulão de dança teve grande apelo popular (Divulgação)

Em pouco mais de duas horas, a trupe de palhaços encerrou a programação do Carnaval 2019. “Esse formato de Carnaval está dando certo. Temos a presença de muitas famílias e quase nenhuma intercorrência. Agora nosso desafio é gerenciar esse crescimento e melhorar a cada ano para que sempre possamos oferecer uma uma festa de alegria e segurança”, afirmou o secretário.

  • Ajustes

Ricardo Pecego revelou que alguns ajustes deverão ser feitos para a programação de 2020, especialmente em relação ao desfile da Banda do Nheco. “Tivemos que nos improvisar para que pudéssemos abrir espaço para que eles desfilassem. A ajuda dos Bombeiros Voluntários, da Guarda Civil Municipal, dos seguranças e da própria equipe da secretaria foram fundamentais nesse momento. Vamos estudar melhorias para que em 2020 o itapirense possa desfrutar desse momento em sua totalidade”, finalizou.

Ajustes poderão ser adotados para desfile do Nheco (Divulgação)