Parque Juca Mulato é um dos pontos mais altos da cidade
Publicidade - Anuncie aqui também!
Parque Juca Mulato é um dos pontos mais altos da cidade
Parque Juca Mulato é um dos pontos mais altos da cidade
Publicidade - Anuncie aqui

A ocorrência da maior superlua em quase 70 anos, fenômeno previsto para a noite desta segunda-feira (14), deverá atrair interessados aos pontos mais altos da cidade, como o Parque Juca Mulato, na região central.

Apesar da chuva, é possível que algumas pessoas se reúnam para acompanhar o satélite que estará 48 mil quilômetros mais próximo da terra. A lua não chegava tão perto da terra desde 1948 e o fenômeno não voltará a ocorrer até 2034.

Além do Parque Juca Mulato, a Praça da Árvore também é outra opção de ponto mais alto para quem quer acompanhar o ‘evento espacial’. A superlua, contudo, não será no momento do perigeu, que ocorrerá às 9h21 (horário de Brasília). No Brasil, segundo especialistas, o melhor horário para ver a superlua é na chegada do pôr do sol. Porém, o tempo fechado poderá atrapalhar os planos de muita gente.

O fenômeno por definição ocorre no momento da lua cheia, que será às 11h54 – nesta hora, o satélite estará a 363.338 km da Terra. Com exceção do eclipse da Superlua de 2015, não houve nem haverá por muito tempo uma lua cheia tão especial, mesmo que curiosamente tenhamos tido três superluas consecutivas em três meses, a anterior ocorreu em 16 de outubro e a última será no dia 14 de dezembro.

Como assim?

Como em qualquer outra lua cheia, o corpo celeste parece maior e mais brilhante quando aparece no horizonte. E o mesmo ocorre com as superluas. Ainda que elas apareçam 14% maiores e 30% mais luminosas que as luas cheias comuns, são mais surpreendentes quando estão na linha do horizonte e não altas, no céu. Isso acontece porque a órbita da lua não é um círculo perfeito, então em alguns pontos de sua órbita ela parece estar mais próxima do planeta Terra. “Quando a lua está em seu ponto mais distante isso é conhecido como apogeu e quando está mais perto é chamado de perigeu”, explica o cientista da Nasa Noah Petro. No perigeu, a lua está cerca de 48 mil quilômetros mais perto da Terra do que no apogeu. Essa proximidade faz com que a lua pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que uma lua cheia