Patrulha Ambiental foi criada em atendimento à lei municipal contra maus tratos (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A atuação da Patrulha Ambiental de Itapira atingiu neste mês a marca de mil ocorrências registradas. O órgão é vinculado à DPBEA (Divisão de Proteção e Bem Estar Animal), criado em 2015 na estrutura da SAMA (Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente), após aprovação de legislação municipal para coibir atos de maus tratos a animais. Ao todo, até agora, a Patrulha Ambiental já emitiu 71 autos de infração ao flagrar irregularidades relacionadas a animais.

Juntas, as multas somaram pouco mais de R$ 86 mil. “Dos autos de infração emitidos, 67 foram em decorrência de situações envolvendo maus tratos contra animais.

Outros três foram relacionados à poluição visual e um deles relacionado à poda drástica em espécie arbórea”, destaca o chefe da DPBEA, Rogério Oliveira.

Em 2015, foram 18 autuações que totalizaram cerca de R$ 10,6 mil. No ano seguinte, 29 autos de infração acrescentaram mais R$ 36,1 mil à soma. Em 2017, foram mais R$ 38,4 mil em multas distribuídas em 22 autuações. E somente no primeiro mês deste ano, já foram mais R$ 800,00 em duas autuações. Os valores estão em processo de cobrança.

“Para este ano de 2018, nossa meta é aumentar a fiscalização ambiental e atingir os mesmos resultados positivos que temos em relação às ocorrências envolvendo animais. Lembrando que os valores, quando recebidos, serão utilizados em prol ao meio ambiente e nos casos de maus tratos. Tudo o que for recebido será revertido em ações benéficas aos animais”, frisa Oliveira.

Oliveira comanda setor operacionado ligado à Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (Divulgação)

Em relatório fornecido ao Itapira News, a Patrulha Ambiental destaca a atuação junto a 1.820 animais das seguintes espécies: cães (971), gatos (344), aves silvestres (133), animais silvestres (92) e equinos/outros (280). Além disso, também foram registradas 50 ocorrências envolvendo outras situações de agressão ao meio ambiente, como supressão de árvores, poluição visual, queimadas e incêndios e produtos químicos.

“Considerando os números e fatos apresentados, acreditamos que nossa unidade esteja cumprindo com seu dever perante a administração e a nossa comunidade, porém cientes que podemos melhorar em muito, principalmente após o reforço de nosso efetivo e da vinda da nova viatura solicitada ao Governo do Estado”, finaliza o chefe da DPBEA.