Publicidade - Anuncie aqui também!
Simulado envolveu mais de 100 policais em São Paulo (Rodrigo Paneguine/Comitê Paulista da Copa)
Simulado envolveu mais de 100 policais em São Paulo (Rodrigo Paneguine/Comitê Paulista da Copa)
Publicidade - Anuncie aqui

A Polícia Militar de São Paulo criou três batalhões especiais para atuar durante a Copa do Mundo, que será realizada entre junho e julho. Os grupos, subordinados ao Comando de Policiamento Copa (CPCopa), contarão com 4.265 PMs.

“Estes policiais terão atenção especial a eventos voltados à Copa. Desde a recepção de delegações e autoridades no aeroporto, o deslocamento a hotéis e centros de treinamento, locais de reuniões públicas com grande concentração de pessoas, além dos próprios estádios onde os jogos serão disputados”, explicou o porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Mauro Lopes.

Os policiais – entre praças e oficiais – que farão parte dos BPCopa são dos cursos de aperfeiçoamento da própria PM. O efetivo virá das escolas de Educação Física (EEF), Superior de Sargentos (ESSgt), Superior de Bombeiros (ESB) e da Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB).

Os policiais, alunos destas instituições, possuem anos de carreira e experiência na corporação. Além desse efetivo e de próprio policiamento, a PM irá adiar folgas e férias para que o máximo possível de PMs esteja nas ruas. “Por ano, atendemos a dois milhões e meio de ocorrências, então não vamos prejudicar o patrulhamento de rotina por causa do evento”, afirmou o porta-voz.

SIMULADO

Na terça-feira (25), a Polícia Militar realizou uma simulado de atendimento a emergências durante um treinamento preparatório para a Copa do Mundo. Os exercícios, que contaram com cerca de 120 policiais, foram abrigados no Hotel Transamérica, em Santo Amaro, zona sul da Capital.

Com objetivo de aprimorar as técnicas para atendimento de diversos casos, unidades especializadas da PM participaram de treinamento para três cenários: exposição a agentes químicos, biológicos, radiológicos ou nucleares; detonação de artefato explosivo e sequestro com refém. “Estamos nos preparando desde quando São Paulo foi anunciada como uma das sedes do campeonato”, explicou o tenente-coronel Mauro Lopes.

Antes dos exercícios, cinco equipes de escolta simularam o transporte de autoridades. Quatro saíram do Aeroporto Internacional André Franco Montoro, em Guarulhos, com destino a hotéis das avenidas Engenheiro Luiz Carlos Berrini e Nações Unidas. O quinto grupo fez o caminho entre essas vias.

A primeira simulação de ocorrência foi o resgate de vítimas expostas a agentes químicos, biológicos, radiológicos ou nucleares (materiais QBRN). Além dos tradicionais equipamentos de proteção individual (EPI) e respiratória (EPR), os bombeiros utilizaram roupas especiais contra contaminações.

As vítimas foram socorridas e retiradas do local e o material perigoso, isolado. Os resgatados passaram pelo processo de descontaminação e receberam os primeiros socorros. Uma pessoa, em estado de saúde mais grave, foi transportada pelo helicóptero Águia.

O exercício contou com caminhões auto-tanque, auto-bomba e auto-escada, além de motos operacionais dos bombeiros (MOpB) e uma Unidade de Suporte Avançado (USA).

Simulado envolveu mais de 100 policais em São Paulo (Rodrigo Paneguine/Comitê Paulista da Copa)
Simulado envolveu mais de 100 policais em São Paulo (Rodrigo Paneguine/Comitê Paulista da Copa)

Explosivos

Um possível artefato explosivo deixado na porta de um restaurante foi o segundo exercício simulado. Policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) utilizaram um robô para pegar e levar o objeto até um aparelho de raios-X.

Após confirmar que se tratava de uma bomba, um PM controlou o robô para posicionar o explosivo próximo de um canhão d’ água. Um feixe de alta pressão fez com que o artefato fosse detonado. O processo foi acompanhado por outro policial que usava um traje especial.

O Grupo do Choque da PM utiliza equipamentos semelhantes desde 2000. No final do ano passado, o material foi renovado a partir de um investimento de mais de R$ 1 milhão, que possibilitou a compra do aparelho de raios-X – de origem israelense -; do canhão d’água e robô – dos Estados Unidos -; além da roupa especial de proteção, vinda do Canadá.

Refém

A terceira simulação foi de uma ocorrência com negociação e resgate de refém, também feita pela equipe do GATE. Armado com uma faca, um homem sequestrou uma vítima e a manteve sob ameaça. Após negociação, a PM interviu, libertou a refém e deteve o agressor.

Além dos exercícios de hoje, a PM continuará aprimorando sua atuação até a Copa. “Temos a previsão de outros simulados. A Polícia Militar está se preparando da melhor maneira possível para que o evento transcorra de maneira segura para todos”, afirmou Mauro Lopes.

O treinamento foi feito pelo GATE, Policiamento de Trânsito (CPTran), Corpo de Bombeiros, Patrulhamento Aéreo (GPRAe) e PMs do policiamento de área. Oficiais da Escola de Educação Física (EEF), Escola Superior de Sargentos (ESSgt) e Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB) acompanharam.