Leitos de UTI destinados a pacientes com coronavírus motiva polêmica em Itapira (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O secretário municipal de Saúde de Itapira, Vladen Vieira, foi hoje à sede do DRS (Departamento Regional de Saúde), em São João da Boa Vista (SP), para pleitear o aumento dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados exclusivamente aos pacientes em tratamento contra o Covid-19 no Hospital Municipal.

Atualmente, são apenas sete leitos regularmente cadastrados junto ao Ministério da Saúde, sendo outros três disponíveis na Santa Casa de Misericórdia.

Mantenha-se bem informado: curta nossa página no Facebook, siga-nos no Instagram e também pelo Twitter

No início desta semana, o secretário fez um alerta sobre o aumento dos casos na cidade e a taxa de ocupação dos leitos. O assunto inspira polêmica.

A administração do prefeito Toninho Bellini (PSD), que assumiu no dia 1º de janeiro, afirma que oito leitos foram desativados em dezembro pelo Ministério da Saúde e a antiga gestão do município, então nas mãos do prefeito José Natalino Paganini (PSDB), “nada fez para reverter a situação”.

Em recentes declarações, o agora ex-prefeito diz que entregou a Prefeitura à nova gestão com 15 leitos em funcionamento. Ele confirma que os oito leitos foram descredenciados em dezembro, mas diz que ingressou com novos pedidos logo em seguida e continuou custeando os leitos, utilizando recursos destinados para o enfrentamento da pandemia.

Em meio à troca de farpas, os índices de casos positivos da doença seguem aumentando, despertando ainda mais preocupação na população.

“Ainda em novembro do ano passado, a gestão anterior da Secretaria de Saúde havia solicitado a redução de 20 para 15 leitos de UTI Covid no Hospital, tendo em vista o término do convênio existente com a Santa Casa de Itapira e a necessidade de absorção de pacientes de UTI geral”, diz nota da Prefeitura.

Na visita à DRS, o secretário de Saúde pediu que sejam ampliados para 15 os leitos credenciados em Itapira, de forma que, consequentemente, o Ministério da Saúde e o Governo Estadual repassem verbas para o custeio dos mesmos.

“Esse credenciamento é necessário para que não tenhamos que utilizar verbas que seriam aplicadas em outros serviços para custear esses leitos que não estavam regularizados junto ao Ministério. Apesar de contarmos com uma verba específica para a pandemia, temos inúmeros outros gastos com equipe técnica, medicamentos e insumos e estamos lidando com um recurso finito”, justificou Vieira.

Publicidade - Anuncie aqui