Bozzi enfatiza que não haverá anistia ou descontos
Publicidade - Anuncie aqui também!
Bozzi enfatiza que não haverá anistia ou descontos
Bozzi enfatiza que não haverá anistia ou descontos
Publicidade - Anuncie aqui

A Prefeitura informou que irá lançar uma campanha para motivar os contribuintes inadimplentes com o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) a regularizarem suas situações.

Segundo o órgão, dos cerca de R$ 17,5 milhões previstos para serem arrecadados com o tributo neste ano, aproximadamente R$ 1,4 estão em atraso. O montante representa 8% da previsão e, apesar de se manter dentro de um patamar semelhante a anos anteriores, preocupa a Secretaria Municipal de Fazenda.

O objetivo da campanha é conscientizar os inadimplentes para que aproveitem o 13º salário, em dezembro, para quitar as dívidas. Caso contrário, afirmou o titular da pasta, João Batista Bozzi, haverá a inscrição no cadastro de Dívida Ativa do município ou até cobrança via judicial. Ele afirmou ainda que as dívidas poderão sofrer acréscimo e, diferentemente do que ocorreu em exercícios anteriores, não haverá anistia.

“Quem deve R$ 1 mil passará a dever R$ 1,43 mil depois da virada do ano e caso se torne uma cobrança judicial, pode chegar a R$ 1,75 mil. Os encargos e taxas que são cobrados fazem a dívida crescer muito”, exemplificou o secretário. Ele lembrou que, em casos extremos, a cobrança judicial pode acarretar até mesmo em leilão de imóveis para saldar os débitos.

A campanha, segundo ele, será planejada em conjunto com o Departamento de Comunicação Social, e alertará a população sobre as vantagens do pagamento das dívidas em dia e necessidade da quitação dos débitos em atraso. Segundo Bozzi, assim como não haverá programa de anistia, a Prefeitura também não concederá descontos dos tributos em atraso. “Não vamos fazer nenhuma ação de anistia, redução ou perdão de dívidas. É injusto com os contribuintes que pagam em dia”, argumentou. As medidas de inscrição na Dívida Ativa e encaminhamentos à Justiça também valem para os contribuintes que negociaram suas dívidas em sistema de parcelamento e não honraram os compromissos.