Profissionais se reuniram na escola para tentar retomar atividades
Publicidade - Anuncie aqui também!
Profissionais se reuniram na escola para tentar retomar atividades
Profissionais se reuniram na escola para tentar retomar atividades
Publicidade - Anuncie aqui

Os alunos que ocupam a Escola Estadual ‘Elvira Santos de Oliveira’ (ESO), em Itapira, passaram a enfrentar diretamente a resistência de professores e diretores da unidade quanto à manifestação que começou no último sábado (28).

Na manhã desta terça-feira (1º), diversos profissionais que atuam na escola situada na Santa Cruz se posicionaram defronte ao estabelecimento e tentam demover os estudantes que protestam contra a reorganização escolar da Secretaria Estadual de Educação. Conforme já havia sido adiantado, o processo polêmico foi oficializado via decreto publicado também nesta terça-feira.

A reportagem do Itapira News esteve no local e apurou que os professores querem ter acesso à escola para dar continuidade ao trabalho, atender os demais alunos que não participam da ocupação e concluir o ano letivo. Ninguém da direção ou do grupo de professores quis dar entrevista, mas uma profissional disse que o grupo estava buscando dialogar com os manifestantes para encerrar o protesto.

Junto aos estudantes, a reportagem apurou que a intenção é permanecer na escola o máximo possível. Eles falam em “resistência” ao que chamam de “pressão” sofrida por parte da sociedade que não concorda com as ocupações. Até o fechamento desta matéria, às 10h00, professores, diretores e alunos continuavam na escola. Eles se sentaram na escada defronte à entrada principal da tradicional unidade – que também é a maior em número de alunos.

PROTESTOS

Até a manhã desta terça-feira (1º), três escolas de Itapira seguiam ocupadas. A Escola Estadual Prefeito Antônio Caio, no São Vicente, completa nesta quarta-feira (2) uma semana de ocupação constante – inclusive com os alunos pernoitando na unidade.

Além da ESO, a escola Professor Pedro Ferreira Cintra, na Vila Izaura, também segue abrigando os estudantes manifestantes. A escola Professor Cândido de Moura, no Jardim Raquel, chegou a ser ocupada na manhã de sexta-feira (27), mas os estudantes desistiram da manifestação na tarde do mesmo dia alegando supostas pressões externas.

Com as aulas suspensas nas unidades ocupadas, paira entre os estudantes que não participaram das manifestações a preocupação acerca do fechamento do ano letivo. Além disso, também há estudantes que deverão passar pelo processo de recuperação de notas. A reorganização escolar desencadeada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) afetará cinco das oito escolas estaduais em Itapira. A Diretoria Regional de Ensino, com sede em Mogi Mirim, informou que está definindo uma “agenda” para buscar diálogo com os alunos. “Ainda vamos marcar isso”, resumiu a dirigente Elin de Freitas Monte Claros Vasconcellos, sem fornecer qualquer detalhe sobre como e quando isso será feito.