Publicidade    
Publicidade - Anuncie aqui

O CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Saúde, confirmou o 20º caso de raiva animal ocorrido em Itapira em 2017, sendo o 16º em bovino. Ao todo, até agora, a doença vitimou no ano passado 16 bois ou vacas, um cavalo e três morcegos, sendo um insetívoro e dois vampiros.

Este novo caso se refere a uma novilha da raça Nelore, variedade Mocha, que morreu entre 24 e 25 de dezembro na região da Ponte Nova. A amostra foi coletada no dia 26, quando houve a notificação ao CCZ. “O local faz divisa com o Estado de Minas Gerais, com ampla área de mata preservada, onde já ocorreram vários casos de Raiva anos atrás. O diagnóstico foi feito pelo Instituto Pasteur e o resultado chegou nesta quarta-feira”, comentou o coordenador do CCZ, o médico-veterinário Rodrigo Bertini.

De acordo com ele, nenhum humano teve contato com a novilha, o que dispensa cuidados especiais com as pessoas responsáveis pelo animal. Ainda segundo Bertini, é possível que mais um caso de raiva em bovino seja confirmado nos próximos dias. “Coletei uma amostra na região da divisa entre Mogi Guaçu e Espírito Santo do Pinhal no final do ano. Neste caso, tivemos três pessoas encaminhadas para tratamento pós-exposição, pois tiveram contato com a saliva do animal, um bezerro de cinco meses, mestiço de Nelore”, detalhou.

Da mesma forma, o material biológico foi enviado ao Instituto Pasteur e o CCZ aguarda o resultado da análise. Bertini informou ainda que o município também poderá ter o primeiro caso de Raiva animal em 2018. “Fui notificado na última terça-feira da presença de um boi que foi a óbito apresentando sintomas neurológicos, morrendo afogado em um tanque. O material foi coletado e enviado ao Pasteur, também aguardamos o resultado do que poderá ser o primeiro caso positivo deste ano”.

Além disso, outra vaca na mesma propriedade na qual o bezerro morreu, na divisa com Mogi Guaçu, também apresentou sintomas da doença. “Com certeza será mais um caso confirmado”, apostou Bertini. De acordo com ele, equipes estaduais de controle da Raiva animal estarão no município na segunda quinzena deste mês para verificar as regiões. “Temos que estar vigilantes para que não ocorra nenhum óbito humano por Raiva devido à manipulação destes animais doentes”, alertou o coordenador do CCZ.