Ocorrência envolveu equipes da PM, Samu, Defesa Civil e GCM (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Uma ocorrência movimentou equipes da Polícia Militar, Defesa Civil, Bombeiros Voluntários e do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) na manhã desta segunda-feira (7) em Itapira.

A mobilização na Rua Cherubim Graciato, na região do bairro Nosso Teto, aconteceu depois que um morador reagiu de maneira agressiva e desesperada ao receber notificação de despejo por falta de pagamento do aluguel da residência.

A ordem seria cumprida por oficiais de Justiça, mas ele se trancou no imóvel e passou a promover ameaças. Equipes da Polícia Militar foram acionadas, bem como do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), diante do receio de que ele tentasse algo contra a própria vida.

De dentro da casa, o homem também acabou arremessando uma bomba na rua, que estourou próximo de um veículo estacionado na via. Equipes da Defesa Civil e dos Bombeiros Voluntários também foram acionadas, já que havia o receio de que ele provocasse algum tipo de incêndio no imóvel.

Mobilização chamou a atenção de moradores no Nosso Teto (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Em seguida, o homem parou de responder e os policias decidiram invadir a casa, encontrando o rapaz caído, já praticamente desacordado. Segundo a PM, ele ingeriu diversos tipos de medicamentos.

O homem foi prontamente socorrido pela equipe do Samu e encaminhado para atendimento médico no Pronto Socorro do Hospital Municipal. O comandante da PM em Itapira, capitão Fábio Vieira, foi requisitado e acompanhou toda a operação.

Agentes de diversos órgãos atuaram na ocorrência (Paulo Bellini/ItapiraNews)

De acordo com ele a atuação dos policiais foi cautelar e no sentido de preservar a integridade do morador e também das equipes. Até por volta das 11h00, a PM ainda preservava o local e aguardava a determinação se haveria ou não perícia técnica no imóvel.

Familiares do homem foram comunicados sobre a situação e compareceram ao local para se inteirar dos fatos. A ação de despejo, de acordo com o que foi apurado no local, foi necessária diante de ação movida para reintegração de posse, uma vez que o morador havia se negado a deixar a residência em solicitações anteriores.

Publicidade - Anuncie aqui