Rodoviária de Itapira terá serviço especializado para atender pessoas em situação de rua (Paulo Bellini/ItapiraNews)
publicidade

A Estação Rodoviária de Itapira, situada na região do Jardim Soares, terá uma sede de Serviço de Abordagem Social para atender pessoas em situação de rua e direcionar aos serviços de acolhimento existentes no município e fornecer outras orientações.

A informação foi confirmada pela secretária municipal de Promoção Social, Regina Ramil Marella, durante reunião ocorrida na última quinta-feira (6) na Prefeitura.

De acordo com ela, o serviço será conduzido por uma equipe multidisciplinar composta por assistente social, psicólogo e educador social. Na prática, esses profissionais farão a abordagem ‘in loco’ das pessoas em situação de rua que frequentam ou permanecem na Rodoviária.

Além disso, também haverá a chamada ‘abordagem sistemática’ com as demais pessoas espalhadas pela cidade para que deixem de ocupar a rua e aceitem alternativas, como por exemplo, voltar para a cidade de origem.

“Essas ações articuladas têm como objetivo principal oferecer orientação a essas pessoas acerca dos serviços disponíveis que auxiliam essa parcela da população e que podem auxiliá-los a deixar essa condição de vulnerabilidade”, destacou Regina.

Reunião envolveu coordenadores de diversos setores (Divulgação)
  • AÇÃO COORDENADA

A implantação do serviço representa uma espécie de resposta frente à situação atual verificada na Rodoviária, que se tornou um ponto de permanência de diversos moradores de rua.

Alguns deles passaram a ocupar até mesmo corredores do espaço com colchões e cobertores, além de outros pertences e até mesmo uma barraca em um dos jardins anexos ao espaço público.

Diante de muitas reclamações de usuários da Rodoviária, funcionários das empresas de ônibus e comerciantes próximos, uma ação de orientação foi realizada pela GCM (Guarda Civil Municipal) recentemente, de maneira a motivar os indivíduos a deixarem o local e procurar os serviços de auxílio em equipamentos mantidos pela Secretaria Municipal de Promoção Social.

Membros da equipe da pasta, entretanto, somente foram acionados após a abordagem inicial das equipes da GCM, o que acabou gerando polêmica e críticas e motivando a reunião entre os coordenadores das pastas.

A dificuldade maior, de acordo com as autoridades envolvidas na ação, é convencer parte dos indivíduos a procurar pelos serviços disponíveis, já que os locais possuem diversas regras de convivência e segurança.

Segundo a Prefeitura, o encontro foi organizado para “planejar ações conjuntas entre as secretarias para abordagem social das pessoas em situação de rua do município”.

Ação da GCM aconteceu na semana passada e gerou polêmica (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Além da secretária de Promoção Social e do secretário de Defesa Social, Coronel Antônio José Rodrigues Gonçalves de Almeida, a reunião contou ainda com a presença do secretário municipal de Governo, Sandro César Oliveira; do comandante da GCM, Mirovaldo Farabello; do coordenador da Defesa Civil, Ronaldo Ramos; e do diretor do Departamento de Trânsito, Luís Gustavo Pereira.

O vereador André Siqueira (PSL) também marcou presença. Na reunião, Regina Ramil apresentou dados referentes aos atencimentos prestados à população de rua e lembrou que Itapira é a única cidade da região que conta com um serviço voltado a esse público.

De acordo com ela, atualmente são 93 pessoas identificadas que utilizam a rua como espaço de convivência na cidade, das quais 73 estão cadastradas e sendo atendidas pelo Centro POP, um dos equipamentos de auxílio.

]“Alguns passam o dia no serviço com atendimentos em pequenos grupos, sem que haja aglomeração, principalmente com atividades dirigidas e individuais, seguindo as normas de segurança sanitária”, frisou a secretária.

Ainda de acordo com ela, diariamente são cerca de 35 atendimentos no espaço. A Prefeitura também informou que um trabalho conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, através do CAPSad (Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas) “também está sendo articulado para ofertar capacitação da equipe técnica e também o atendimento especializado na unidade para tratamento da dependência química”.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui