Nível do rio baixou demais e demandou ação emergencial
Publicidade - Anuncie aqui também!
Nível do rio baixou demais e demandou ação emergencial
Nível do rio baixou demais e demandou ação emergencial
Publicidade - Anuncie aqui

A hipótese de racionamento de água já não é mais descartada em Itapira. O procedimento, que até então não era previsto pelo Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), agora poderá ser adotado a qualquer momento, devido à queda da vazão do Ribeirão da Penha nos últimos dias.

A informação foi confirmada pelo presidente da autarquia, José Armando Mantuan, na manhã desta quinta-feira. “Já não está mais descartado o risco de racionamento. Dependendo do nível (do rio que abastece a cidade) há possibilidade de termos que interromper o tratamento de água por algumas horas para que nossa captação volte a ser possível, e isso vai ocasionar interrupções no abastecimento”, comentou.

De acordo com ele, o Saae está estudando uma série de medidas para evitar que o racionamento seja implantado em Itapira. Uma delas foi a impermeabilização, com uma lona e sacos de areia, da barragem do Ribeirão da Penha, na quarta-feira (15), com objetivo de reter maior volume de água na área da captação da ETA (Estação de Tratamento de Água) da Avenida dos Italianos.

“A preocupação é com a vazão do Ribeirão da Penha e tivemos essa ação emergencial, que é um serviço até rudimentar. Isso causa um transtorno ambiental no trecho do rio até o córrego que vem do Centro de Lazer e que ficou praticamente seco, e onde já estava passando pouca água”, explicou.

Mantuan destacou que a medida é amparada em legislação que versa sobre a prioridade do uso da água para o abastecimento humano. “Não é algo ambientalmente saudável, mas garante ao abastecimento da cidade”, acrescentou.

Na tarde desta quinta-feira, o Saae também passou a colocar em prática operações de bombeamento de água de lagoas e açudes para o Ribeirão da Penha. Uma das represas fica em uma fazenda às margens da Rodovia SP-147 (Itapira-Lindóia), de onde a água será dragada e levada ao rio por meio de um córrego já existente.

Já em uma propriedade às margens da Rodovia SP-352 (Itapira-Amparo), foram abertos canais levando águas de lagos para o Ribeirão da Penha. Um fiscal do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) também está em Itapira para suspender outorgas de captação de água do Ribeirão para fins de fiscalização.

O presidente do Saae também fez um apelo para que a população colabore no sentido de economizar água. “Estamos realmente precisando da colaboração da população. É uma situação crítica e todo esforço é bem vindo”, concluiu.