Escoteiros fizeram plantio de árvores para mata ciliar (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Escoteiros fizeram plantio de árvores para mata ciliar (Divulgação)
Escoteiros fizeram plantio de árvores para mata ciliar (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui

A Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (Sama) em parceria com a DZ Esportes, realizou no sábado (09) a recomposição de mata ciliar na margem de um córrego sem denominação localizado no Jardim Galego. Foi feito o plantio de 160 mudas de árvores nativas junto ao manancial, que é afluente do Ribeirão da Penha, o principal curso d’água do município.

A ação contou com a participação de aproximadamente 40 pessoas, entre motociclistas, praticantes de trilha, integrantes do grupo de escoteiros do município e moradores locais.

Sob as orientações do biólogo da Secretaria, Anderson Martelli, que mostrou a importância dessa ação, os voluntários realizaram o plantio de 160 mudas de árvores nativas. José Alair de Oliveira, diretor da pasta, lembra que este tipo de ação favorece a arborização do município e a proteção dos corpos d’agua.

“Com estas ações, estamos favorecendo a recomposição de nossas matas ciliares, a regeneração dos córregos urbanos e, paralelamente a isso, fazendo a diminuição de processos erosivos dos solos, o que favorece o aumento da área verde e traz melhor qualidade de vida para a população”, afirma Martelli.

Continuando as ações da Secretaria, na segunda feira, 11, alunos da Escola Interativa realizaram uma visita ao Aterro Sanitário Municipal também sob monitoria do biólogo. “Ficamos muito contentes em poder proporcionar essa oportunidade tão importante em termos de educação e cidadania”, frisou José Alair de Oliveira.

Programa também compreendeu visita ao aterro (Divulgação)
Programa também compreendeu visita ao aterro (Divulgação)

De acordo com Martelli, os jovens tiveram a oportunidade de conhecer o destino final dos resíduos de suas casas e saber como funciona um aterro sanitário. Também aprenderam sobre o processo de decomposição dos tipos de materiais e foram informados de que o aterro tem um tempo de vida útil, que pode ser ampliado através da separação do lixo reciclável nas residências.

“Os cuidados com a natureza devem partir do cidadão comum e se tornar parte da cultura da sociedade. Por isso, se faz necessária uma boa estrutura educacional voltada para o meio ambiente e que trabalhe desde já as conseqüências de nossas ações diárias e a importância de cuidar do que está ao nosso alcance”, destacou José Alair.