Dona Angelina enfrenta problemas para conseguir meios de controlar diabetes
Publicidade - Anuncie aqui também!
Dona Angelina enfrenta problemas para conseguir meios de controlar diabetes
Dona Angelina enfrenta problemas para conseguir meios de controlar diabetes
Publicidade - Anuncie aqui

O atraso na distribuição de tiras reagentes – as populares fitas para exames de diabetes – na rede básica de Saúde de Itapira gerou reclamações de pacientes que precisam do insumo para a manutenção de seus tratamentos. Diversos protestos começaram a circular nos últimos dias, especialmente nas redes sociais, versando sobre a falta do produto nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde).

A aposentada Angelina Maria de Andrade, 63, foi uma das prejudicadas. Segundo sua filha, Roseane Faria, 42, há pelo menos 15 dias ela não encontra as tiras na UBS dos Prados, bairro no qual reside. “Minha mãe é diabética e faz uso controlado de Insulina. Antes de ser aplicada, é preciso verificar a diabetes, que no caso dela costuma oscilar o dia todo. Ela precisa fazer o exame em casa até seis vezes ao dia, e justamente por isso o endocrinologista já fez uma prescrição que ela necessita de certa quantidade de tiras ao mês para medição”, explicou.

“Só que já faz 15 dias que estamos procurando nos postos de saúde e não tem. Essas fitas são muito caras, ela é aposentada e não tem condições comprar, sem contar que a alimentação dela tem que ser diferenciada, e isso também gera mais custos. Todo dia ligo no posto de saúde e dizem que não chegou ainda. Isso nos deixa indignados, já que o governo fornece, mas aqui não tem. Não é só minha mãe, nenhum paciente diabético está conseguindo retirar as fitas”, reclamou Roseane.

Sem ter como comprar as tiras, a filha da aposentada recorreu às redes sociais, tornando pública a situação. O desabafo motivou algumas doações que, por enquanto, deram condições para que dona Angelina volte a fazer os exames e controlar sua doença. “Não postei para gerar atritos e nem por política. Só quero uma solução, não somente para minha mãe, mas também para outros pacientes que também precisam”, disse Roseane.

OUTRO LADO

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde reconheceu o problema, afirmando que identificou, na semana passada, a ausência das fitas de teste de glicemia nos postos de saúde, solicitando ao fornecedor o envio de nova demanda. Entretanto, segundo a nota, a empresa licitada informou que estava sem estoque e que não poderia atender ao pedido com a devida urgência.

“Emergencialmente, a Secretaria de Saúde fez na última terça-feira (13) duas compras emergenciais de insumos. Em uma delas, a entrega foi imediata e os materiais foram distribuídos entre os postos. A segunda compra, com demanda maior, foi feita de uma empresa de São Paulo, que garantiu a entrega até sexta-feira (16), ajudando assim a minimizar o problema”, garantiu a administração por meio de sua assessoria de imprensa.

Ainda segundo a nota, “o contato com a empresa fornecedora continua sendo feito para que ela supra o estoque do município o quanto antes”. Contudo, até o momento a empresa disse que ainda não há prazo de quando isso deve ocorrer. Segundo a Prefeitura, a secretária municipal de Saúde, Rosa Ângela Iamarino, lamentou a situação, informando que estão sendo tomadas todas as providências para que o abastecimento seja normalizado o quanto antes. “Nós compreendemos a aflição dos pacientes que precisam dessas fitas, mas infelizmente dependemos da entrega do fornecedor para que possamos normalizar o fornecimento aos usuários. Pedimos desculpas pelo transtorno”, declarou.