Destroços da aeronave foram localizados em área de serra (Divulgação/Defesa Civil)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Terminou a operação de resgate dos corpos das seis vítimas do desastre aéreo envolvendo o helicóptero do Laboratório Cristália, no Pico do Itapeva, em meio à Serra da Mantiqueira, em Campos do Jordão.

Desde a noite de sábado (24), quando os destroços da aeronave foram localizados, equipes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil, da Força Aérea Brasileira e da Polícia Científica trabalhavam na remoção dos corpos.

A tragédia provocou a morte de todas as seis pessoas que estavam na aeronave – entre elas a vice-presidente do Conselho do Cristália e filha de um dos fundadores da empresa, Kátia Stevanatto. Além dela, morreram também seu esposo, Paulo Sampaio; a arquiteta Letícia Telles, o empresário do ramo de marcenaria Ronoel Scholl, o piloto Antônio Landi Neto e o co-piloto Juliano Martins Perizato.

Os dois primeiros corpos a serem removidos foram os de Sampaio e Scholl, pela manhã. Por volta das 15h00, as outras quatro vítimas foram retiradas dos escombros. A aeronave caiu em uma área de barranco, dificultando a operação. Agora, com a retirada de todos os corpos, o trabalho para a remoção dos destroços deve avançar ainda até o final da tarde. O local do acidente é uma área privada e foi isolado.

Os corpos foram removidos ao IML (Instituto Médico-Legal) de São Paulo. Ainda não há informações sobre quando ocorrerá a liberação às famílias para que ocorram os sepultamentos. Em nota, o Cristália lamentou profundamente o que chamou de “perda irreparável” provocada pelo acidente. A assessoria da empresa adiantou que os corpos dos pilotos deverão ser velados em Campinas (SP), onde moravam. As demais vítimas serão veladas em Itapira, em cerimônia no Ginásio do Itapirão.

Publicidade - Anuncie aqui