Rua no Santa Fé sofre com descarte irregular (Divulgação/Patrulha Ambiental)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Um trecho da Rua Natálio Bianchesi, na região do bairro Santa Fé, voltou a ser o local de descarte irregular de entulhos três dias após equipes da Prefeitura realizarem limpeza e retirar diversos detritos, entre eles até mesmo um colchão de casal.

A operação de limpeza aconteceu na manhã do último sábado (16) e mobilizou vários servidores, além de um caminhão e uma pá-carregadeira. Mas o local não ficou muito tempo limpo.

Já nesta terça-feira (19) novamente surgiram entulhos despejados na via pública. A Patrulha Ambiental esteve no local e agora tenta, por meio de imagens ou informações anônimas, chegar ao responsável.

O problema é crônico na cidade. Recentemente, em reportagem em vídeo, o Itapira News mostrou alguns pontos em que comumente são descartados detritos de toda espécie, em vários bairros. A dificuldade em flagrar os infratores é o maior desafio para punir esses atos.

“Infelizmente o descarte irregular de lixo e entulhos é uma prática comum em alguns pontos da cidade. Mesmo com a intensificação do patrulhamento por estes pontos, ainda é difícil flagrar o infrator no momento do descarte. Já conseguimos através de investigações e com ajuda das denúncias, autuar pessoas que realizaram esta prática, por isso toda ajuda da população é sempre bem vinda”, comenta o chefe do órgão, Rogério Oliveira.

Via recebeu limpeza no sábado (Divulgação/Prefeitura)

Ele lembra que o Código Municipal de Meio Ambiente trata essa questão como infração e prevê aplicação de multa que pode chegar a R$ 400,00 a quem for autuado. Além disso, o Código de Posturas também prevê multa de até R$ 1.357,00.

Somadas, as penalidades podem chegar a quase R$ 1,8 mil e pesar bastante no bolso do infrator. “Muitas vezes os descartes são de materiais orgânicos, os quais o caminhão de lixo passa recolhendo em toda a área do município, além de materiais que podem ser reciclados, que também são coletados em todas as ruas da cidade”, lamenta Oliveira.

Para ele, a pessoa infratora tem mais trabalho e riscos ao efetuar o descarte irregular do que se simplesmente colocasse o lixo na lixeira de sua casa. “Quando o descarte ocorrer em áreas verdes ou de proteção permanente, a infração passa a ser também crime ambiental, passível de pena de reclusão de um a cinco anos de reclusão e multa”, adverte.