Entidade continua sob intervenção municipal
Publicidade - Anuncie aqui também!
Entidade continua sob intervenção municipal
Entidade continua sob intervenção municipal
Publicidade - Anuncie aqui

Passado pouco mais de um mês desde que a administração municipal decretou intervenção municipal à Uipa (União Internacional Protetora dos Animais), o quadro da entidade é visivelmente melhor.

Ao menos aos olhos de quem chega à sede na Rua Celencina Caldas Sarkis, no Jardim Raquel, a situação se mostra bem diferente da verificada no início de dezembro, quando o prefeito José Natalino Paganini destituiu, via decreto, a diretoria até então responsável pelas atividades no local.

O decreto, publicado no dia 03 daquele mês, trouxe a informação de que diversas irregularidades haviam sido encontradas na Uipa itapirense, com um grupo interventor sendo nomeado para assumir o comando da entidade.

As melhores condições não são meras impressões, garante uma das interventoras, Maria Aparecida de Souza, 47. “Podemos afirmar que a situação melhorou 100% do que era”, enfatizou, durante visita da reportagem à sede da Uipa, na tarde de quinta-feira. “Ainda não vencemos todos os obstáculos, temos muitas dificuldades, faltam muitas coisas. Mas, em matéria de saúde dos animais, principalmente, podemos dizer que a situação é muito melhor”, frisou.

Ela se refere ao surto generalizado de sarna e de verminose que atingia os 122 cães abrigados no local. O problema foi detectado durante vistoria não agendada, feita por equipes da Vigilância Sanitária e do Serviço de Controle de Zoonoses. “Ainda não conseguimos eliminar totalmente os ratos e outros bichos que aparecem na sede, pois estamos cercados de muito mato, tem o cemitério (Parque Municipal da Paz) atrás da Uipa, e temos muita ração que também atrai os roedores. Mas, mudou muito, já não se vê ratos em todo lugar como vinha acontecendo. Mas, os cães estão bem mais sadios, mais calmos, estão em ambiente limpo e todos receberam vacinas e vermífugos”, comentou Maria.

Logo após a intervenção, a comissão interventora formada por cinco pessoas promoveu um mutirão de limpeza e remanejou os cães, antes espalhados por todos os ambientes, para as áreas de canis.

Ana Carolina, Taís e Maria integram grupo que atua na Uipa
Ana Carolina, Taís e Maria integram grupo que atua na Uipa

Estruturalmente, o local ainda não é o mais adequado para as atividades, mas a intenção é que a Uipa se mude, dentro de até dois anos, para uma nova sede – expectativa criada a partir de uma promessa da Prefeitura para a doação de uma área à entidade. A administração municipal também cedeu um funcionário administrativo para atuar na Uipa, e outras três pessoas foram contratadas pela entidade para auxiliar nas tarefas – sendo uma delas a estagiária de Veterinária Taís Boretti, 19.

“Temos recebido muito apoio da comunidade, muitas doações. Já temos materiais para reformar todos os canis, mas ainda não temos a mão-de-obra, que ainda estamos correndo atrás, tentando conseguir”, frisou Maria.

A reportagem visitou a área destinada aos cães, juntamente com Maria e Taís, além de outra interventora, Ana Carolina Moisés dos Santos, 36. Do total de cães abrigados no local quando da chegada da comissão, 12 foram doados em duas feiras de adoções promovidas em parceria com o Clube Amor de Quatro Patas, outra associação de proteção animal em atividade no município. No dia de ontem, outra feira foi realizada, além de um evento com venda de sobremesas para arrecadar fundos. Uma das ideias é construir um galpão de 50 metros quadrados para abrigar os cães sem que haja a necessidade de construir mais canis. “Como é prevista a mudança de local, não queremos fazer muitos investimentos na atual sede”, explicou Maria.

DIFICULDADES

Situação estrutural da entidade é visivelmente melhor
Situação estrutural da entidade é visivelmente melhor

Segundo a interventora, os recursos na ordem de R$ 70 mil destinados pela Prefeitura à Uipa ainda não são suficientes para bancar todos os custos, daí a importância do apoio recebido por muitas pessoas, e que não têm sido pouco. “Ainda passamos apuros. O dinheiro não dá, poderia até ser o suficiente, caso não tivéssemos todos os problemas estruturais que temos hoje”, comenta Ana Carolina.

Nem ela e nem Maria, contudo, conseguem mensurar quanto mais seria necessário para subsidiar completamente as atividades. Primeiro, a comissão espera pelos relatórios conclusivos do processo de auditoria em andamento, realizado pela Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos.

As apurações, segundo Maria, devem terminar em até 30 dias. “A partir disso é que vamos ter todos os detalhes contábeis, administrativos e financeiros da Uipa”, destacou.

Questionada sobre a destinação, à Uipa, de 2% da arrecadação do município com o sistema de cobrança de estacionamento rotativo (Zona Azul) na região central, Maria informou que a entidade não está recebendo o repasse, mas frisou que deverá buscar o benefício posteriormente.

“Nossa primeira tarefa foi focar nos animais, tratar deles. Depois veio a parte da limpeza, e agora é a estrutural. Ainda estamos acertando tudo, tem toda a parte burocrática para acertar. Às vezes dá um sentimento de ansiedade, vontade de deixar tudo certo de uma vez, mas sabemos que ainda há muito a fazer”, salientou a interventora.

Uma das intenções é construir um barracão na área dos canis
Uma das intenções é construir um barracão na área dos canis

De uma forma geral, a comissão comemora os resultados obtidos até agora. Por enquanto, a Uipa ainda não recebe animais, justamente devido à estrutura limitada.

Ainda assim, recentemente, a entidade acolheu duas cadelas com seus respectivos filhotes, que foram abandonadas e deram cria em terrenos baldios. “Os cães não latem mais o dia todo como latiam. Estão mais tranquilos. As pessoas que visitam a sede também dizem que não há mais odor ruim, elogiam a limpeza. Estamos conquistando credibilidade, e ficamos muito felizes com todo o apoio recebido”, enfatizou. Para que possa voltar a acolher novos cães, a Uipa pede que sejam feitas adoções, de forma a liberar espaço na sede.

A expectativa é de que até o final do prazo estabelecido para a intervenção – de seis meses – a comissão já eleja uma nova diretoria que deverá reassumir o comando da Uipa. “Temos certeza absoluta de que vamos ter condições de cuidar da Uipa. Tem muita gente querendo ajudar, o pessoal está confiando muito, e também temos sido muito transparente. Qualquer pessoa pode visitar a sede e conferir o trabalho”, disse Maria.

Ela aproveitou para alertar sobre um grande aumento no número de denúncias sobre maus tratos, principalmente a cães no município. “Temos recebido muitas ligações e queremos lembrar que maus tratos é crime. Às vezes são casos em que apenas as orientações já resolvem, mas, em outras situações, temos que resgatar o animal. É importante que as pessoas pensem duas vezes antes de pegar um animal, avalie se realmente terá condições de criar e só adote se realmente for cuidar bem”, finalizou.