Publicidade - Anuncie aqui também!
Major Mello Araújo quer proximidade entre PM e comunidade
Major Mello Araújo quer proximidade entre PM e comunidade
Publicidade - Anuncie aqui

Usar as novas opções tecnológicas e fomentar uma maior aproximação entre policiais militares e sociedade civil.

Essas são algumas das propostas do major Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, coordenador operacional do 26º BPM/I (Batalhão da Polícia Militar do Interior), baseado em Mogi Guaçu, ao qual a 3ª Cia da Polícia Militar, em Itapira, é subordinada.

Mello Araújo, que já comandou a PM em Itapira na condição de capitão, entre 2010 e 2011, retornou ao quadro do 26º BPM/I recentemente, depois de aproximadamente dois anos atuando na proteção pessoal do secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

Sua nova missão, agora, é coordenar as operações da PM nas oito cidades atendidas pelo Batalhão de Mogi Guaçu: Santo Antonio de Posse, Jaguariúna, Holambra, Pedreira, Estiva Gerbi, Mogi Mirim e Itapira, além, obviamente, de Mogi Guaçu. Segundo o major, a intenção é colocar em uso ferramentas modernas e abrangentes, como as redes sociais da Internet, a serviço da segurança pública.

“Estamos trazendo algumas inovações, além de boas ideias que vi funcionarem em vários municípios do Estado durante esse tempo na Secretaria de Estado da Segurança Pública. Uma dessas inovações é a criação de páginas institucionais, no Facebook, das companhias das cidades abrangidas pelo 26º Batalhão, para que possam servir como mais um canal de comunicação entre a população e a Polícia Militar”, revelou.

De acordo com ele, essas páginas na rede social mais utilizada da atualidade tendem a se transformar em mais uma opção disponível à sociedade para denúncias, sugestões e reclamações. “A população tem que ser parceira. Além do Disque-Denúncia (181) e do telefone 190 da Polícia Militar, também vamos criar essas redes para estreitar o contato com os cidadãos. É com as denúncias anônimas que os policias conseguem chegar aos criminosos. Geralmente, a PM sabe quem é o traficante, mas são as pessoas que moram no bairro em que ele atua que sabe onde ele esconde as drogas, por exemplo. A ideia é se aproximar ainda mais da população e usar a tecnologia no combate ao crime”, destacou o major.

Fotografias de criminosos que já contam com passagens pela polícia também deverão ser disponibilizadas nas viaturas em patrulhamento. “Temos um banco de dados muito bom e com certeza vamos perturbar essas pessoas que agem de forma ilícita. A orientação para quem está no caminho errado é para que procure um emprego, pois se ficar na atividade ilegal não vai dar certo”, avisou Mello Araújo.

Outro plano do agora coordenador operacional da PM na região é intensificar as operações integradas entre as próprias equipes militares, como a Força Tática e a Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) – como a já ocorrida na semana passada em Itapira. “Vamos fazer um treinamento com a Força Tática do Batalhão, que vai começar a agir em conjunto com a Rocam. A ideia é agir em peso, em massa, indo às cidades e fazendo com que a população se sinta mais segura, sinta a presença da Polícia Militar e pegue mais confiança, passando a denunciar mais”, finalizou.