Silva e Jamarino em clima tenso na Câmara (Arquivo)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Silva e Jamarino em clima tenso na Câmara (Arquivo)
Silva e Jamarino em clima tenso na Câmara (Arquivo)
Publicidade - Anuncie aqui

A primeira sessão da Câmara Municipal após o recesso legislativo de julho foi encerrada com um desentendimento entre os vereadores Carlos Aparecido Jamarino (PSC) e Marcos Paulo da Silva (PRB).

O caso aconteceu na última terça-feira (4), dentro da Câmara Municipal, e culminou no registro de um boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia em que Silva acusa Jamarino de agressão.

Os dois estão em lados opostos na política itapirense, com Jamarino integrando o grupo governista e Silva fazendo parte da bancada oposicionista após rachar com o grupo ligado à administração municipal. Em fevereiro deste ano, Silva também acusou o secretário municipal de Serviços Públicos, Adolfo Santa Luccia Júnior, de tê-lo agredido.

O estranhamento entre os parlamentares teria começado ainda no plenário da Casa, mas a suposta agressão aconteceu em uma sala de espera do prédio que abriga o Poder Legislativo no município. “Ele (Jamarino) deu uma cotovelada no meu peito e me jogou na parede. Perdi o fôlego”, afirmou o vereador oposicionista ao jornal Tribuna de Itapira, que noticiou o fato nesta quinta-feira (6).

Segundo a publicação, Jamarino confirmou o problema com o colega de vereança, mas negou ter praticado qualquer agressão física. “Foi um empurrão, um esbarrão, devido ao fato de ele (Silva) ter me ofendido pessoalmente”, rebateu o vereador, que se mostrou arrependido.

Jamarino argumentou que a situação toda teria sido originada a partir de atitudes irônicas e desrespeitosas de Silva ao longo da sessão. Durante a última discussão de uma matéria da pauta da sessão, o oposicionista estaria operando seu telefone celular enquanto o vereador Maurício Cassimiro de Lima (PSDB), líder do governo na Câmara, discursava sobre questões relacionadas à educação infantil.

O ato teria incomodado Jamarino. Ao término da sessão, os demais vereadores deixaram o plenário, enquanto que Silva e Jamarino passaram a discutir. “Ele (Jamarino) disse que eu não estava fazendo papel de vereador. Eu disse que ele estava fazendo papel de moleque”, contou Silva. Jamarino confirmou a discussão. “Ele tem essa mania de ironizar, de tirar sarro das coisas. Ele ainda disse que eu não era homem”. Foi quando Jamarino teria partido para cima do oposicionista, com funcionários da Câmara evitando uma possível briga e acalmando os ânimos.

Com isso, Jamarino foi até uma sala e Silva permaneceu no plenário. Momentos depois, eles se encontraram em um corredor, onde aconteceu o confronto entre ambos, novamente contido por funcionários. Apesar disso, Silva garante que levou uma cotovelada e foi jogado contra a parede. Após o ocorrido, Silva foi ao Hospital Municipal e fez um exame de corpo de delito. Na manhã do dia seguinte, ele foi à Delegacia e registrou a ocorrência. Agora, ele diz que irá solicitar à Comissão de Ética da Câmara uma punição a Jamarino. “Se nada acontecer, vou ver outros meios legais”, enfatizou.

Vale ressaltar que o próprio Jamarino é membro da Comissão de Ética. “Não deveria ter feito o que fiz, nem como parlamentar, nem como pessoa. Independente dele ter deixado o lado político de lado e ter passado a me agredir pessoalmente”, afirmou.