Animal encontrado é da espécie sauá (Ilustração)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A Divisão de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Itapira aguarda a chegada do resultado dos exames laboratoriais realizados pelo Instituto Adolfo Lutz para confirmar ou descartar a febre amarela como causa da morte de um macaco da espécie Sauá encontrado morto pela Defesa Civil no bairro do Machadinho.

O animal foi descoberto no final do mês de agosto e encaminhado à Divisão de Zoonose, que efetuou os procedimentos necessários para coleta do material enviado para o laboratório. Sem o resultado dos exames necessários em mãos, as autoridades itapirenses preferem não adiantar qualquer indício.

Ainda assim, elas admitem que o caso deixa o município em estado de alerta já que Itapira teve um caso autóctone confirmado da doença no mês de abril. Um homem de 44 anos, morador no bairro Della Rocha, teve febre amarela confirmada com suspeitas de que ela tenha sido contraída na zona rural. Além disso, a cidade é considerada pelo Ministério da Saúde área de área de atenção para febre em razão da sua localização geográfica.

No ano passado dois macacos encontrados mortos no município foram enviados para exames laboratoriais, um na avenida Braz Aires e outro no bairro rural da Itapirinha. Ambos acabaram tendo a febre amarela descartada como causa de suas mortes.

Apesar da suspeita, as autoridades locais têm frisado que não há razões para alarde por parte da população, especialmente dos moradores dos bairros rurais. Elas têm reforçado a necessidade de que aquelas que ainda não se vacinaram procurem as UBSs (Unidades Básicas de Saúde).