Servidor está internado na UTI do Hospital Municipal (Itapira News)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O servidor público municipal Umberto Longo, 72 – vítima de um soterramento parcial ocorrido em uma obra na Rua Inglaterra – segue hospitalizado. Segundo a Prefeitura, seu estado de saúde é considerado estável e inspira cuidados.

“Ele permanece internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Municipal por conta do atendimento que esta unidade tem condições de prestar”, informa nota emitida pela administração.

No Hospital Municipal, o servidor foi submetido a procedimentos de aspiração de terra e é tratado de uma pneumonia aspirativa. “O paciente apresentou trauma no tórax, com fratura de arcos costais esquerdo e direito e pneumotórax submetido à drenagem. Os procedimentos médicos e exames de imagens necessários foram realizados”, continua o texto.

O acidente aconteceu na manhã da última quarta-feira (31). Longo estava em uma das extremidades de uma vala aberta para a construção de novas galerias de águas pluviais na região da Vila Ilze, quando o barranco desmoronou. Ele caiu no buraco de aproximadamente quatro metros de profundidade e teve o corpo quase que totalmente coberto por terra e barro.

  • RESGATE

O resgate foi dramático, durou quase uma hora e mobilizou equipes do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Bombeiros Voluntários, Defesa Civil, Patrulha Ambiental e Corpo de Bombeiros de Mogi Guaçu, além de outros servidores da Prefeitura e do SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto).

Servidor caiu em vala e ficou preso pela terra (Itapira News)

A obra era de responsabilidade da Secretaria Municipal de Serviços Públicos, pasta na qual o funcionário trabalha há 51 anos e é considerado especialista em frentes de construção de pontes e galerias. “O acidente gerou grande comoção em todos os departamentos, pois Umberto é muito querido e amigo de todos”, destaca a nota da Prefeitura.

Segundo a administração, as causas do desmoronamento ainda estão sendo apuradas. “A princípio, não é possível determinar a causa do ocorrido. No entanto, já se sabe que o desmoronamento aconteceu entre o momento da abertura da vala e o escoramento necessário”.